Você está em:

Conheça Santa Catarina




Dentre os primeiros registros da região onde se localiza o estado de Santa Catarina, destaca-se a referencia da expedição de Juan Dias de Solis, que em 1515 passou por ali em direção ao Rio da Prata. Juan Dias de Solis deu o nome de baía dos "perdidos" as águas entre a Ilha (onde hoje fica a cidade de Florianópolis) e o continente. Em 1526, Sebastião Caboto publicou os mapas referentes à sua expedição, no qual nomeou a Ilha de "porto dos Patos". Somente em 1529, no mapa-múndi de Diego Ribeiro, a Ilha aparece com o nome de Santa Catarina, sendo que existem várias versões a respeito da origem desse nome.

 

Apesar de a região servir de ponto estratégico para o apoio as expedições com destino, principalmente, para o Rio da Prata, os primeiros habitantes de Santa Catarina foram náufragos e desertores. Após alguns anos, chegam a Santa Catarina 4500 colonos açorianos, que se estabeleceram principalmente no litoral do continente. A partir de 1829 são instaladas várias colônias européias no estado, para os imigrantes de origem alemã, italiana e eslava.

 

Com a expansão das expedições bandeirantes, sobretudo as de bandeiras vicentinas (originarias da Capitania de São Vicente), a região passou a ser percorrida. A Ilha foi ocupada em 1637, quando Francisco Dias Velho lá se estabeleceu com sua família e seus escravos, dando inicio a futura povoação Nossa Senhora do Desterro (atualmente Florianópolis). Em 1642 foi construída a primeira capela do estado, em um local denominado São Francisco, que passaria a vila em 1660 (aproximadamente). A fundação de Laguna, em 1684, ocorreu após a pacificação dos índios habitantes da região. Em 1739 Santa Catarina passa a ser, oficialmente, o posto português mais avançado na América do Sul.

 

Em 1777 os espanhóis invadem a Ilha com sucesso, e expulsam tropas e autoridades para o continente. A Ilha foi devolvida a Portugal após o tratado de Santo Idelfonso, nesse mesmo ano.

 

Santa Catarina teve um papel importante na Revolução Farroupilha. Os catarinenses eram receptivos as idéias republicanas. Com o objetivo de utilizar sua saída para o mar, em 22 de julho de 1839, os Farrapos tomaram a cidade de Laguna dos imperialistas. A cidade passou a chamar-se "Cidade Juliana de Laguna", local onde se estabeleceu o Governo Provisório da "República Catarinense", já articulando, democraticamente, a eleição provisória para Presidente da Republica Catarinense. A ocupação durou até o fim do mesmo ano, quando ocorreu a derrota naval dos Farrapos.

 

Um capitulo a parte na Revolução Farroupilha teve como protagonista a catarinense Ana Maria de Jesus Ribeiro, conhecida como Anita Garibaldi. Tornou-se uma lenda ao lutar ao lado do italiano Giuseppe Garibaldi pela liberdade, seja nas Américas (lutou no Brasil e no Uruguai), ou na Europa (lutou na Itália).

 

O estado esteve envolvido ainda na Guerra do Contestado, entre 1912 e 1916.

A economia de Santa Catarina é diversificada e equilibrada, pois das diversas atividades produtivas desenvolvidas na região, nenhuma contribui com mais de 20% para o PIB do estado. Santa Catarina é o quinto estado mais rico do Brasil.

 

As principais atividades desenvolvidas são industriais, agrícolas e de extrativismo mineral. O turismo vem ganhando espaço na economia. A agroindústria se sobressai em relação às demais, já que articula o setor industrial ao setor agrícola.

 

- Setor agrícola – milho, arroz, alho, fumo, feijão, mandioca, banana, cebola, trigo, tomate, aveia, cevada, uva, batata inglesa e maçã  (o estado é responsável por mais da metade da produção brasileira). A pesca de camarão e de outros frutos do mar é realizada em larga escala, ou seja, trata-se de pesca industrial. A produção de mel no estado também é significativa. É grande a área de reflorestamento no estado, com o objetivo de corte para a produção de celulose e papel.

 

- Setor agroindustrial – a criação de suínos e a avicultura movimentam a agroindústria catarinense. O estado é o maior exportador de carne suína e de frango, tanto que as duas maiores empresas do estado são a Perdigão e a Sadia. O desenvolvimento de frigoríficos desenvolvidos especificamente para o processamento da carne suína assim como a produção de milho para a produção da ração dos porcos fez este setor ter um forte crescimento.

- Indústria – as indústrias instaladas no estado atendem diversificadas áreas. Destacam-se as indústrias têxteis e de produção de cerâmicas (expostas inclusive no exterior). Maquinas, equipamentos, autopeças, produtos plásticos e eletrodomésticos também são produzidos no estado. A produção de móveis de madeira de pinho.

 

- Extrativismo – As reservas mais significativas de Santa Catarina são as seguintes: carvão, sílex, argila, bauxita, quartzo, pedras semipreciosas, além de petróleo e gás natural.

 

- Turismo – O litoral catarinense, caracterizado pelo verão com altas temperaturas, atrai turistas de diferentes partes do Brasil e dos países vizinhos tendo como principal destino o Balneário Comburiu. A região serrana é visitada por turistas no inverno, sobretudo nas cidades onde ocasionalmente neva.

 

A participação do estado de Santa Catarina no produto interno bruto do Brasil é de 4%.

A diversidade geográfica e humana de Santa Catarina é surpreendente para um território de apenas 95,4 mil km² - do tamanho aproximado de países como a Áustria, Hungria, Irlanda ou Portugal. Uma viagem de poucas horas de carro é suficiente para experimentar mudanças radicais no clima, na paisagem, nos sotaques e culturas.

 

Com atrativos diferenciados e de fácil acesso, o estado tem vocação acentuada para o turismo. Visitá-lo é um deleite, tanto para quem quer férias tranqüilas, como para os que buscam a aventura de esportes ligados à natureza: vela, remo, surfe, canoagem, rapel, parapente, asa-delta, alpinismo, trekking.

 

Há oito estâncias hidrominerais, 14 áreas federais e 5 estaduais de proteção ambiental, além de dezenas de parques ecológicos municipais.